Amor até dói:
Experiências do Egito e Brasil

 

 

Esta exposição apresenta uma série de obras da Associação ANKH Rede de Conhecimento sobre Direitos Humanos) e o artista social brasileiro Alberto

Pereira Jr. Explora a situação das pessoas vivendo com HIV no Egito e no Brasil,

buscando discutir e ressignificar estigmas sociais relacionados à doença.

Até que dói, começou como um projeto desconhecido de dois anos sobre HIV e estigma.

Uma odisséia. No entanto, um conjunto limitado de perguntas. Uma discussão que se transformou em equipe. Sua próxima vida está alinhada com a nossa urgência de continuar falando ... falando de forma diferente instruções e incluindo outras. A experiência de muitos, outrora um campo minado de medos individuais, instiga o estrondo do poder de produção coletivo. Nós somos reunindo nossas idéias em uma mesa comum e planejando um futuro cuja esperança está na ruptura do nosso presente. Estamos convencidos de que, para criar uma estratégia para o nosso próximo

passos que precisamos mais do que energias lineares únicas, mas um grupo, uma multidão de vozes preparado para cantar (e gritar), harmonizar e também desarranjar. Amor até doer é uma plataforma para organismos reais entrarem e co-pilotarem seu desdém lúdico, um conjunto de interação gerando o próximo.

 

Alberto Pereira Jr. (Brasil), Brad Walrond, Paula Nishijima, Todd Lanier Lester, Todo Lugar Estrangeiro (EUA), ANKH Associação (Egito), Humanos como Anfitriões (Taiwan), Mulheres Positivas para o Amor, Nhimbe Confiança (Zimbábue), Luciérnagas (Colômbia)… e transformação. Embarque imediatamente

@LuvTilitHurts / www.luvtilithurts.co

Associação ANKH

Pontos de Vida (2019)

A série 'Points of Life' mostra quatro imagens que representam o experiências, alegrias e desafios de pessoas HIV positivas no Egito, com o objetivo de chamar atenção à sua situação e iniciando uma discussão sobre solidariedade internacional e suporte.

www.ankhfrance.org

Entrevista Luv 'til It Hurts Associação ANKH

LUV 'até que dói é um trabalho

GRUPO DE VIH POSITIVO E

ARTISTAS NEGATIVOS (NEUTRAIS)

E ATIVISTA TRABALHANDO

SOBRE UMA GAMA DE RELACIONADOS COM HIV

ESTIGMAS DIFERENCIADOS POR

GEOGRAFIA, RAÇA, GÊNERO, IDADE,

CLASSE E EXPERIÊNCIA VIVIDA.

TRABALHANDO JUNTO COM ANKH

ASSOCIAÇÃO E BRASILEIRA

ARTISTA ALBERTO PEREIRA JR., WE

IMAGINE RECURSOS MAIS RÁPIDOS PARA

ATIVISMO CULTURAL RELACIONADO AO HIV

ASSIM COMO RECONHECIMENTO

O PAPEL DO ARTISTA

NO MOVIMENTO SOCIAL

AO REDOR DO HIV / AIDS.

O que outras pessoas estão dizendo

BAIXE NOSSA DECLARAÇÃO

Clique nas imagens acima para ler os depoimentos de cada foto
Alberto Pereira Jr.

Que toque sentimos quando não podemos mais tocar? (2020)

Documentação de uma performance ou documento realizado? "Qual toque

sentimos quando não podemos mais tocar? ” é uma provocação que se desenrola do

suspensão da Conferência sobre o HIV 2020 resultante da pandemia da

coronavírus recente. E, consequentemente, a mudança da apresentação de "Por favor,

Touch Me ”, obra do artista social brasileiro Alberto Pereira Jr., no virtual

meio Ambiente. Na obra original, o artista oferece seu autodeclarado negro, queer

e HIV positivo ao toque do público, na esperança de que produza

empatia, ressignificação, eliminação e cura de estigmas sociais. Agora, um vídeo reúne

ou grava o desempenho via transmissão ao vivo e uma jornada de busca por

novas possibilidades e significados do toque entre os corpos - de seu HIV positivo

corpo e outras pessoas - dada a ameaça do toque físico imposto pelo

Quarentena de COVID-19, conforme recomendado pela OMS. Alberto Pereira Jr. também

ser co-anfitrião de uma das sessões do “Microfone aberto com curadoria de poética e pandemia” ”,

programa criado por Brad Walrond para o HIV2020.

Duração - cerca de 8 minutos

Criado, dirigido e realizado por Alberto Pereira Jr.

Editor: Tiago Coutinho

Editor de som: TJ Sound

Agradecimentos Especiais: HIV2020, Amor a Dói, Paula Nishijima, Brad Walrond e

Todd Lanier Lester

@albertopereirajr

Entrevistas de Luv 'til It Hurts Alberto Pereira Jr.

Todo Lugar Estrangeiro (EM SETEMBRO DE 2020)

Microfone aberto com curadoria de poética e pandemia - “Please

Touch Me ”edição especial HIV2020

Este curador de 45min - 1 hora de formato de vídeo co-liderado pelo poeta artista multidisciplinar

o ativista Brad Walrond e o artista interdisciplinar de performance Alberto Pereira

Jr. convocará uma lista com curadoria de poetas criativos e intérpretes de todo o

mundo (Nova York, São Paulo, Taiwan, Reino Unido e / ou Holanda criam e executam

seu trabalho usando como ponto de partida totalmente humano e incisivo de Alberto

invocação "Por favor, toque-me!" conforme seu desempenho e projeto de vídeo do

mesmo nome.

O segmento será liderado por Brad Walrond e Alberto Pereira Jr. em setembro

2020 e incluirá uma breve entrevista (s) e uma inclusão com curadoria de imagens,

movimento e arte visual.

-

VOLTAR À GALERIA ONLINE DO HIV2020

CONTEÚDO RELACIONADO COM O BRASIL

Conversa com Vinicius Couto (PT / EN)

artHIVism, Condom Art e uma vida inteira de carinho (Adriana Bertini)

Cidade Queer, um filme (Danila

Bustamante)

Capitalismo Viral (Bruno Mendonça)

ou envie um e-mail rápido para info@hiv2020.org

©2018 HIV2020 Alliance

  • Facebook
  • Black Twitter Icon
  • YouTube